Resenha: Últimas Conversas

Diretor no set de gravação de seu último documentário.

Diretor no set de gravação de seu último documentário.

Juliana Borba

O último filme de Eduardo Coutinho, Últimas Conversas, traduz a personalidade e a forma de trabalhar de Coutinho. Já na primeira cena, surge um diálogo e um desabafo do próprio diretor em relação à produção do documentário, e o quão frustrante e difícil pode ser este processo. Neste momento o espectador é convidado a compreender um pouco mais de Coutinho, de seus anseios e particularidades de diretor, e até mesmo compartilhar de sua incerteza em relação ao resultado que seria obtido pelo filme. De acordo com o diretor, “O jovem vem moldado” e acaba não dispondo de uma memória, pois justamente ainda está no início da vida e das descobertas, o que talvez fizesse de seu filme algo ruim e pouco profundo.

A partir desta reflexão, Coutinho sentencia: “Me arrependo de não ter feito com criança”, e ao longo do filme este é um questionamento recorrente do diretor. Os personagens são jovens estudantes de escolas públicas do Rio de Janeiro de 16 a 18 anos que contam seus dramas, sonhos e respondem perguntas simples e complexas sobre a vida.

A captação completa do material para o filme já havia sido concluída pelo diretor, ficando a finalização do filme a cargo da montadora Jordana Berg e do documentarista João Moreira Salles, em função da trágica morte de Coutinho, assassinado pelo próprio filho, em fevereiro de 2014.

As histórias são semelhantes e ao mesmo tempo únicas, refletem a sociedade brasileira, suas discrepâncias e problemas enraizados como o preconceito racial e de gênero, bullying, abuso sexual contra menores, falhas no sistema público de educação e inegavelmente o amor dos personagens por suas mães que, na maioria dos casos, são responsáveis pelo sustento e pela formação de cada um desses jovens. A partir de relatos mais profundos, como é comum nos filmes de Coutinho, também há espaço para rir, questionar e se emocionar com cada personagem e com as falas do próprio diretor, que em muitos momentos durante as entrevistas revela sua percepção sobre a vida.

Últimas Conversas é uma obra belíssima típica de Coutinho, que fala da vida, de gente e de como as situações e sentimentos podem ser diferentes para cada pessoa, pois como já dizia Gabriel García Márquez : “A vida não é a que a gente viveu, e sim a que a gente recorda, e como a gente recorda para contá-la”.

Cotação: 9

Ficha Técnica

Gênero: Documentário
Duração:  85 min.
Origem: Brasil
Direção: Eduardo Coutinho
Roteiro: Eduardo Coutinho
Montagem/Finalização: Jordana Berg / João Moreira Salles
Distribuidora: Espaço Filmes / VideoFilmes
Censura: 12 anos
Ano: 2014

Trailer

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • 28 DE MARÇO NOS CINEMAS