Fabrício Silveira | Pequena Madrugada

Fabrício Silveira

Lançado em dezembro de 2016, Pequena Madrugada Antes da Meia-Noite, do poeta Marco de Menezes, nascido em Uruguaiana e residente em Caxias do Sul, é um dos livros de poesia mais impactantes que li nos últimos tempos. Fiquei impressionado com a densidade poética dos textos, o modo frontal e corajoso como o poeta elabora, no verso, suas relações pessoais, as relações de amizade, a memória familiar, o cotidiano de Caxias e de Porto Alegre.

Vale dizer ainda que o verso, no caso, é um “controverso”, um “des-verso” ou algo assim, desconstruído que está no espaço da página, soltando-se, às vezes, correndo só, oscilando na extensão e no formato, tornando-se prosa, eventualmente, deixando-se atravessar por distintos regimes de linguagem, da mais coloquial à fala culta, passando pelos estrangeirismos, a reticência, a repetição e a rima podre. Chamou minha atenção também o universo de referências utilizadas: a cultura do pampa, a marca publicitária e a música pop, aqui e ali, acentuando a terra devastada que o livro traduz com excelência.

Após ter recebido o Prêmio Açorianos de Literatura – Poesia e Livro do Ano –, em 2010, com o Fim das Coisas Velhas, um de seus livros anteriores, Marco de Menezes retorna com um texto igualmente forte e consistente, consolidando-se como um dos expoentes da poesia no Rio Grande do Sul. O livro é um alento num ano de crise e desmantelamento da cultura no Estado. É para ser lido e relido em 2017.

Fica, para concluir, uma palhinha, uma breve ilustração:

“No último dia do ano
furei com prego um dos pés
pra aprender como se manca
o ano seguinte inteiro” (p.39).

livro_resenha_capa_primeira madrugada antes da meia noite

De MENEZES, Marco. Pequena Madrugada Antes da Meia-Noite. Porto Alegre – RS: Modelo de Nuvem, 2016, 104p.

FABRÍCIO SILVEIRA
Jornalista e doutor em Comunicação. É professor na Unisinos. Autor dos livros Grafite Expandido (Porto Alegre: Modelo Nuvem, 2012), Rupturas Instáveis. Entrar e sair da música pop (Porto Alegre: Libretos, 2013) e Guerra Sensorial – Música pop e cultura underground em Manchester (Porto Alegre: Modelo Nuvem, 2015), sobre sua experiência de pós-doutorado na Inglaterra, quando investigou a cena musical local.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>