‘O Musical Mamonas’ chega a Porto Alegre e a gente conversou com o diretor José Possi Neto

(foto: Carlos Costa)

(foto: Carlos Costa)

Com texto de Walter Daguerre e direção de José Possi Neto, chega a Porto Alegre, em sessão única no Teatro do SESI (Av. Assis Brasil, 8787), dia 17 de setembro, às 21h, o espetáculo O Musical Mamonas. A montagem é baseada na história da banda Mamonas Assassinas, um dos maiores fenômenos fonográficos do Brasil na década de 90, tendo vendido mais de três milhões de cópias no 1° e único disco, antes do desfecho trágico em um acidente de avião.

O Musical Mamonas tem arranjos inéditos e releituras adaptadas. Em cena, a banda composta pelo elenco que interpreta os cinco músicos, toca ao vivo os sucessos que consagram o grupo. “Eu jamais ousaria encenar essa aventura se não encontrasse verdadeiros talentos para encarná-los”, revela o diretor José Possi Neto. O processo de seleção contou com 1500 participantes.

José Possi Neto é um dos mais respeitados nomes do teatro brasileiro. Em seu currículo, ostenta trabalhos nas mais variadas áreas dentro das artes cênicas, mas sempre se notabilizou pelo seu talento em montar musicais, espetáculos de dança e shows. Em uma breve conversa, ele nos contou um pouco do que podemos esperar de O Musical Mamonas.

O Musical Mamonas em Porto Alegre_diretor José Possi Neto_entrevista

Culturíssima: Juntamente com a produção, vocês selecionaram o elenco dentre algo em torno de 1500 candidatos. Como foi e quanto tempo levou esse processo? Gosta de trabalhar dessa forma, visto que em sua trajetória, há trabalhos com os atores mais importantes do teatro brasileiro?

José Possi Neto: A Produção selecionou 300 candidatos a partir de currículos e vídeos enviados. Depois selecionamos 70 através de testes de canto e dança. Então, dentre os melhores, 36 participaram de workshops que desenvolvi com eles por 3 semanas, até chegarmos ao elenco definitivo. Tenho paixão pelo processo de ensaios. Os musicais me permitem conviver diariamente com um grande número de jovens talentos que me mantém jovem e renovado.

A história dos Mamonas é meteórica, não é a trajetória de artistas que tiveram uma carreira extensa, de muitas décadas. Como o musical aborda esse curto período? Há a preocupação e um cuidado em abordar o fim trágico da banda?

Nosso objetivo foi retratar o encontro desses 5 jovens de origem pobre, suas personalidades, sua criatividade, suas visões de mundo, e a construção de uma carreira pautada pela alegria, a irreverência, e um imenso espírito crítico. Namoradas, família, fofocas, e a tragédia final não foram nosso foco.

Que tipo de público você acha que está indo assistir ao musical? Como tem percebido a reação e o feedback desse público?

São fãs dos Mamonas do passado, do presente, são jovens de todas as idades que veem no atual elenco uma volta dos próprios Mamonas.

Você sente que o público, de uma forma geral, tem perdido o interesse por um teatro mais dramático e optado por comédias e peças mais leves?

Existe uma crise de conteúdo no mundo de hoje, o mundo está querendo digerir e deletar.

Um dos traços marcantes da tua trajetória é trabalhar em vários projetos ao mesmo tempo. Além de “O Musical Mamonas”, que outros projetos você tem no momento? Artisticamente, como esse processo de divisão de atenção funciona pra ti?

Sempre trabalhei em vários projetos, e em todas as linguagens que o palco permite. Sou um homem do espetáculo. Além de O Musical Mamonas, estreio em SP na próxima semana GHOST o musical, e para o próximo ano produzo e dirijo um texto de Franz Kepler sobre CARAVAGGIO .

Você sempre trabalhou com espetáculos musicais, de dança e até mesmo com shows. De uns anos pra cá, vivemos o melhor momento para se montar musicais no Brasil?

Sem dúvida. Nos transformamos no terceiro centro produtor de musicais do mundo.

SERVIÇO

O que: O Musical Mamonas
Quando: 17 de setembro (sábado), às 21h
Onde: Teatro do SESI (Av. Assis Brasil, 8787)
Duração: 150 minutos – Classificação indicativa: 12 anos
Texto: Walter Daguerre
Direção geral:  José Possi Neto
Direção musical: Miguel Briamonte
Elenco: Ruy Brissac (Dinho), Adriano Tunes (Julio), Yudi Tamashiro (Bento), Elcio Bonazzi  (Samuel), Arthur Ienzura (Sergio), Rafael Aragão, Patrick Amstalden, Vanessa Mello, Nina Sato, Gabriela Germano, Maria Clara Manesco, Marco Azevedo, Reginaldo Sama, Bernardo Berro, Andre Luiz Odin, Davi Tostes

Vendas online: www.ingressorapido.com.br
Ingresso Rápido Call Center: 4003-1212
Pontos de venda: Bilheteria do Teatro do Bourbon Country – Av. Túlio de Rose
Ingressos:
Plateia baixa – R$ 150,00
Plateia alta – R$ 120,00
Mezanino 1 – visão parcial da fila E/D01 até a fila E/D05 – R$ 80,00
Mezanino 2 – da fila E/D06 até a fila E/D13 – R$ 50,00

O benefício de meia-entrada é assegurado para 40% do total de ingressos disponíveis para cada evento, conforme o Decreto nº 8.537/15. Desconto não cumulativo.

Benefícios para clientes Banco do Brasil
50% de desconto para clientes do Banco do Brasil com posse de seguros, planos de previdência ou capitalização.
50% de desconto + DVD contendo Making Off do espetáculo*** para clientes Banco do Brasil com posse de plano de previdência BRASILPREV.
Desconto não cumulativo. Para a utilização do benefício é necessário inserir o CPF do cliente no campo “código promocional” na página de compra.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • 28 DE MARÇO NOS CINEMAS