Um olhar íntimo sobre a carreira de Flávio Basso, o Júpiter Maçã

Lucas Hanke*

A primeira vez que ouvi o nome Flávio Basso, eu era uma criança entrando na adolescência. Morava em Lagoa Vermelha, no Bairro Oliveira e estava descobrindo a música e o rock ao lado dos amigos: Evandro Bitt , Doce Solano, Fabio Solano, Paulo Fish, Eduardo Dolzan, Dametto e outros comparsas. No LP, um disco de vinil sem capa e encarte com apenas os nomes das músicas e autores: Cachorro Louco (Charles Master & Flávio Basso). Escutávamos sem parar aquelas canções construindo baterias de latas e guitarras de cordas de anzol para imitar aqueles acordes. O tempo passou, montamos uma banda (com o nome de uma das canções ), construímos um estilo e sonoridade nossas, mas aquelas referências até hoje invadem nossos sonhos.

guitarrista da identidade toca com flavio basso o jupiter maça

– “Quando a lua cai no telhado”.

Quando largamos tudo em 2002 e viemos morar na capital pra viver o sonho do rock, tudo o que mais queríamos era encontrar aqueles caras que fizeram nossa cabeça. Aos poucos fomos conhecendo todas aquelas feras (em especial Arcari, Petracco e Tchê) e criando laços de amizades reais. Estávamos vivendo um momento mágico e único. Cinco garotos do interior dividindo palco e histórias com nossos ídolos. Faltava conhecer pessoalmente somente aquele man que assinava músicas em duas bandas fenomenais e que usava um nome um tanto esquisito quanto genial.

– “Lá no parque da Redenção vamos passear”.

Lá por 2005, passávamos por um período efervescente. Bandas e mais bandas circulando e uma cena rock reformulada e renovada. Fomos convidados pelo Gabriel Boizinho (Cachorro Grande), para morar na Funhouse e cuidar das festas e do velho casarão. Certa noite ele nos avisa que um novo morador estava chegando. Era ninguém menos que ele. O cara que tanto queríamos conhecer. Passamos uma noite mágica bebendo e ouvindo suas histórias. O tempo dele na Fun foi curto. Flávio queria paz e nós estavámos a mil, assim como aquela casa. A festa nunca acabava naqueles tempos.

– “Uooooou, existe um casalzinho pegando fogo”.

Em 2005 viajei a Goiania com meu amor Mari Martinez para o Festival Bananada, onde uma das atrações era o Jupiter. Lá trocamos uma ideia e falei que poderia montar uma Tour pra ele no Sul. Uma semana depois recebi um telefonema a cobrar de SP. – Pode montar aquela Tour? Tem que ser pra semana que vem e será somente uma semana, depois volto a SP. Ok, man! Em dois dias agendei 4 shows, ensaios e remontamos o grupo: Jupiter (Voz/Guitarra), Thalita Freitas (Percussão/Vocal), Ray-Z (guitarra), Eduardo Dolzan (Bateria), Astronauta Pinguim (teclado) e eu no baixo e produção. A partir deste momento um novo universo artístico se abriu para mim, misturando timbres, cores, formas, Folk, Rock, Tropicália, Beatles, Stones, Bob Dylan, Iggy Pop e Bossa Nova!

jupiter maçã e lucas hanke nos bastidores de turnê

-“Senti meu corpo derretendo”.

Entre o período de 2005 a 2009 excursionamos por todo o Brasil. Shows, entrevistas, programas de rádio e TV, historias loucas, engraçadas, tristes, novas músicas, velhas músicas, tragos e cigarros. Criamos uma grande amizade, passamos natal juntos, lançamos Uma Tarde na Fruteira, gravamos o álbum Bittere um DVD que pegou fogo. Muitas outras coisas, muitas vidas em uma só! Histórias e acontecimentos únicos que somente o brilho de Flávio conseguia proporcionar. Ao seu lado compreendi e senti a arte em todos os lugares. Como um vulcão em erupção, estava sempre despejando milhões de músicas, estéticas e frases únicas. Mutante inquieto, pescando tendências antes de serem tendências. Sabia de cor e salteado a história do rock e conseguia juntar todas em seu mundo, nos mandando de volta de alguma forma linda e totalmente sua!

– “Segue agora um mosaico de imagens mil”

Nos afastamos em 2010 e nos reencontramos em 2014. Lembro de quando o busquei no aeroporto: barba ruiva, chapéu e jaqueta de couro. Nos abraçamos e ele me disse: Hanke, que bom te ver, tô pronto pra trabalhar! Era um domingo e os astros criaram uma nova história. Fomos jogar uma pelada com o ex-governador Olívio Dutra. Flávio gostava de futebol e do Inter. Comentava sempre que jogava como Falcão, sempre lançando e deixando o atacante na cara do gol. Nesta partida fez as honras de ir pro gol pra um penal batido por Olívio. Olhei aquela cena, aqueles dois caras lendários e sorri: Flávio é foda mesmo! Este ultimo momento que passamos juntos, realizamos grandes shows. Como ele dizia 80% bons, 20% mais ou menos. Gravamos novas músicas e demos boas risadas. Um momento especial foi o projeto acústico realizado no Teatro Bruno Kiefer no verão de 2015. Duas noites lotadas de jovens que nunca tinham visto ele de perto. Naquele momento ele estava renovado, 100%. Tocando e cantando como nunca. Apenas ele, o violão e seus fãs, se entregando totalmente para o público de corpo e alma! É assim que quero me lembrar dele.

– “Mercando emoções de um carinha raro projetando coisas”

Obrigado Flávio, por toda sua obra que vai além da música. Pelos momentos que passamos juntos e todas as portas que tu abriste. Pela oportunidade de compormos juntos, pelos amigos que conheci através de ti, como Thunder Bird, Ériko Prado e tua querida mãe Iara. Obrigado pelos músicos fantásticos que tive a honra de tocar o teu repertório: Ray-Z, Thalita, Dolzan, Astronauta, Mauricio Chaise, Julio Sasquatt, Gabriel Guedes, Leo Boff, Bibiana Moreno, Julio Cascaes, Malasia, Luciano Leães, Lucio Vassarath, Gustavo Telles, entre tantos colegas. Obrigado principalmente pela tua amizade e carinho. Obrigado Flávio, tua presença neste plano foi inspiração para toda uma geração. Fique em paz ao lado dos melhores, pois tu é um deles. Tu é o man.

– “O milênio passaria, e a marchinha seguiria sendo cult, underground, mas até 2020 seria revisitada e virar hit nacional”.

Bye bye amigo! Sentiremos saudades!

*Lucas Hanke é guitarrista da banda Identidade

Adicionar a favoritos link permanente.

Um Comentário

  1. Cara, que bom ler esse texto! Te conto duas experiências que vivi em relação à banda em 2015.
    Há anos que eu e minha companheira desejávamos assistir uma apresentação do Júpiter, mas nunca fechava. Em 2014, meio que na sorte, compramos passaportes para o Psicodália-2015 e pouco tempo depois, foi anunciada a presença de vocês. Ficamos muito contentes. No meio de tantos gênios, como o Jards Macalé que tocou na mesma noite, ou o Ian Anderson, ou a quantidade incrível de gente afudê que tocou, o Júpiter Apple, ou Maçã, foi a banda que mais nos enlouqueceu, juntamente com a emocionante presença do Arnaldo Baptista. Foi um momento realmente mágico vẽ-los no palco!
    Voltamos pra Pelotas felizes por tudo isso!
    Quando vimos o show marcado para o bar João Gilberto, não pensamos duas vezes: decidimos ir. Não preciso falar dos detalhes da apreensão que estávamos pelo adiamento. Enfim, no dia, lembro de chegarmos cedinho e o gerente ter nos dado o privilégio de entrar mesmo antes de o bar abrir e a banda estava quase toda reunida ao lado do palco, papeando. A gente entrou e cumprimentou vocês, mas com uma interrogação nas nossas cabeças: por que o Flávio não estava? Pensamos que seria estratégico, ou que ele estivesse dentro do bar, se preparando de maneira mais intimista. Depois que o tempo passou, abriram as portas, o público entrou e o show foi anunciado, quando o Flávio subiu ao palco e começou a cantar, percebemos que não era o mesmo do Psicodália. Tivemos um misto de alegria e preocupação. Curtimos o som e tudo, mas percebemos que a coisa não estava bem em alguns momentos, como o final abrupto.
    Ou seja, em 2015, é provável que tenhamos visto a mais emocionante e a mais preocupante apresentação do Flávio nos últimos tempos.
    Prefiro ficar com toda a primeira apresentação que assistimos e com o que de melhor ocorreu na segunda.
    Passado um tempo, soubemos da passagem do man. Só tivemos coragem de ler algo a respeito bem depois. Foi quando chegamos ao teu texto. E que bom termos lido algo de alguém que participou da construção de tudo. Dá uma sensação de que há continuação. Os amigos vivem em outros, meu caro!
    Grande abraço!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>