Exclusivo | Confira o novo single de Eduardo Pitta

(Foto: Marcelo Monegal)

(Foto: Marcelo Monegal)

Está sendo lançado em todas as plataformas digitais nesta sexta-feira, 26, o novo single do cantor e compositor Eduardo Pitta, Quis Viver Assim. A música já havia sido gravada em formato voz e violão em seu trabalho de 2014 chamado Pra Relaxar, e agora ganha uma roupagem mais pop e moderna. “Acho que esta versão traz este lado mais desprendido, que também é uma verdade em mim”, nos contou o ex-vocalista do Se Ativa.

Em 2007, Pitta deixou o Se Ativa e passou oito anos vivendo entre São Paulo e Rio de Janeiro. Estudou piano, tocou jazz, viveu outras experiência e foi acrescentando referências ao seu trabalho autoral. Suas músicas já foram gravadas por artistas como Vanessa Longoni, Rita Gullo e Aretha Marcos. Ao lado do pernambucano Esdras Bedai, Pitta participou do projeto Ostaba, e juntos lançaram o álbum Retropicalia.

Ouça em primeira mão Quis Viver Assim, confira um rápido bate-papo que tivemos com Eduardo Pitta e também a arte especial feita para o lançamento do single.

GooglePlay: https://goo.gl/rXAxJt

Deezer: http://goo.gl/MhpQ1D

Itunes: https://goo.gl/aYPKoV

Spotify: https://goo.gl/iju9pg

www.hdfinewallpapers.com

Pitta, essa roupagem mais pop de Quis viver assim aponta um novo caminho na tua carreira?

Vamos dizer que eu sempre tive outras influências também, só não tinha trazido à tona. Minha principal escola foi o samba e a mpb das antigas, no passado tive banda de garagem tocando guitarra, depois o pagode tocando cavaquinho… Em casa sempre produzi no ˜home studio˜ experimentando, misturando tudo com batidas e timbres eletrônicos até… Acho que esta versão de Quis Viver Assim traz este lado mais desprendido, que também é uma verdade em mim. Já tinha este arranjo criado, resolvi acreditar nele. É prazeroso, uma libertação poder criar e experimentar coisa novas. Sobre o caminho da carreira, meus projetos continuam, este single vem pra somar, uma coisa não exclui a outra.

São Paulo e Rio são cidades mais receptivas à artistas de samba/mpb?

Olha, eu acredito que haja ouvintes em todo lugar. O que pude viver no Rio e Sampa são núcleos que reúnem gente de todo o país e do mundo, mais produções e meios de divulgação. Mas acho que essas distancias diminuíram muito com a questão da internet. Hoje, em Porto Alegre, onde vivo, há uma cena bem rica, muitos artistas lançando material de primeira, e o contato estreitando-se com a cena nacional e gringa.

Como aconteceu essa transição do pagode do Se Ativa até a coisa mais intimista do Pra relaxar?

Com o Se Ativa em andamento, deixei a faculdade e caí forte no estudo e na lida musical. Fui conhecendo artistas, diferentes estilos e me apaixonando mais e mais. Ao mesmo tempo, compondo e moldando meu jeito de cantar e tocar. Após sair do Se Ativa em 2007 gravei duas experiências solo, mas não as lancei. Eu sambo mesmo, com Lua Laffaiete, e Beco das Garrafas, com Lúcio Dorfmann. Em 2012 lancei Ostaba em parceria com o pernambucano Esdras Bedai. O Pra relaxar saiu no fim de 2014. Ele é a canção crua, direto do autor, apenas voz e violão. Foi meu disco de estréia em carreira solo, e gerou um DVD dirigido pelo Marcelo Monegal. Quem quiser acompanhar: www.eduardopitta.com.br, facebook, insta

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>