Luiz Marenco e o Sul de todos nós

Show no Theatro São Pedro marcou o lançamento do álbum "Sul", de Luiz Marenco.

Show no Theatro São Pedro marcou o lançamento do álbum “Sul”, de Luiz Marenco.

Thiago Suman

O cantor e compositor Luiz Marenco nos apresentou, no dia 2 de junho, um Sul nunca antes visitado. Um Sul regional e sensitivo, evocando os menestréis da campanha do pampa, reverenciando os bardos gaudérios de outrora, a ritualizar a encarnação do passado, embora com os pés no presente e olhos no futuro. Assim, através da maciez da Bossa campeira que emanava do seu canto idílico e a autenticidade do folclore com sotaque e identidade, como se convocasse sua ancestralidade lírico-terrunha, celebrou tribos guaranis e evocou dolência platina ao gravar no DNA do cancioneiro regional a sua marca.

Marenco abriu o pampa pro universo, sem jamais deixar de ser Rio Grande. Entretanto, ainda que seja legítimo, não há em seu canto nem presilhas, nem ortodoxia. O cantor esteve pleno: vestiu o corpo nu do homem-pampa com o suave tecido da musicalidade universal e, por cima, cobriu com o poncho quente de arranjos acolhedores, sensíveis que o Aluisio Rochemback (no acordeon, efeitos e vocalizes), o Luciano Fagundes (Violão) e o Douglas Vallejos (Baixo-Acústico), bordaram para que um público apaziguado de si absorvesse tal virtuose.

Contemplamos o requinte, com doses de experimentalismo, na celebração do regionalismo. Portanto, o que se viu, vibrátil da plateia ao palco do templo do Theatro São Pedro, foi a mais cristalina vertente da arte: música de pele, inundando a todos num frenesi, uma catarse completa da plateia suscetível à liturgia campeira, no canto santo do chão. Daí que, para ampliar sensações, Thedy Correa, vocalista da banda Nenhum de Nós, ajudou a abrir e fechar a noite, com carta aberta e sua voz marcante que, neste caso, esteve à serviço do gauchismo universal dos bem-vindos paradoxos musicais de Marenco. Uma cumplicidade em cena, de quem – cada qual ao seu jeito – canta o sul da gente.

Thedy canta ao lado de Marenco. Foto: Paulo Fonseca

Thedy canta ao lado de Marenco. Foto: Paulo Fonseca

Por outro turno, o poeta Sérgio Carvalho Pereira é o verso e o reverso da palavra escrita na canção. É ele o autor de todas as obras do repertório. Tímido, entra em cena, sobe ao palco para reconhecimento justo. Porém, tudo que Sergio devia dizer, não carecia, foi cantado na voz que anima seus verbos e rimas. Que intimidade – por vivência – com temas de campo, de gente, de sonho. E na frente do cantante, uma platéia augusta se descortina: soube valorizar o instante, afinal de contas, estávamos todos no templo maior da arte sulina e ouvíamos uma prece de acordar aldeias. Luiz Marenco tem a mesma representação que Bob Dylan, em seu folk ianque-universal. Marenco está canonizado no panteão da arte ibero-americana ao lado de estrelas cadentes deste rincão do planeta, como Fito Paez, Jorge Drexler, Mercedes Sosa, Los Chalchaleros, Atahualpa Yupanqui, Pedro Aznar, Soledad, Vitor Ramil…

Ao ser Rio Grande, é Brasil: Marenco também está para nosso estado como estão para os seus, os cantores de “universo-regional”, como Lenine, Fagner, Zeca Baleiro, Alceu Valença e outros de bandeira erguida pela cor local de seus clãs, que desfraldam sua gente, seus usos e costumes e seu chão. Por fim, ressalta-se o óbvio: Luiz Marenco vem da linhagem de Cenair Maicá, Noel Guarany e Pedro Ortaça, os troncos missioneiros que cantavam opinando, fazendo – de modo atemporal – a conexão desses esteios da música sul-riograndense e seu povo.

Obrigado, Luiz Marenco, por ser norte no sul pra gente!

Colunista Thiago

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>